Se preciso fosse...

Por Edvaldo Tomé

Você entende o que você canta? Será que as canções que cantamos na igreja condizem com a verdade Bíblica ou estamos sendo incoerentes com a Sagrada Escritura?

Hoje irei apresentar um contraste (penso eu), entre a canção "Se preciso fosse" do Ministério Ipiranga, em relação à palavra de Deus, que é a nossa única regra de fé e prática.


O que significa dizer que a Bíblia é a única regra de fé e prática? Significa que tudo o que eu creio, toda a minha ideologia, tudo o que vou fazer ou dizer, se baseia naquilo que a ela ensina. Significa que nenhuma outra autoridade, além da Bíblia, pode servir de base para a minha fé e para a minha vida cristã. Significa, como Paulo diz aos Gálatas, que qualquer um que proclamar outro evangelho que não seja o da Bíblia deve ser anátema (Gálatas 1:6-9). Jamais poderemos dar ouvido a qualquer tipo de inspiração, mesmo que tenha uma roupagem piedosa ou religiosa que contrarie a verdade Bíblica.

Dito isto, vejamos do que se trata a canção:



Bom, após termos nos "emocionados" com a canção, façamos uma análise Bíblica a respeito da mensagem que a música nos traz.


Antes, quero deixar claro que segundo a Constituição Federal, é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato. Desta forma, farei a análise da música acima confrontando o que a Bíblia diz, para que possamos chegar a um resultado final, com respaldo legal para tanto.

A letra da música fala sobre um filho que não está na presença do Pai. Seria um filho sem brilho no olhar e com o coração perdido. Ou seja, a ideia é de um filho que estava na presença do seu Pai, mas por um motivo que a letra não diz, acabou por se desviar e não voltar mais.

Com isso, a canção traz a ideia de que o sacrifício realizado por Jesus poderia ser feito novamente para ter de volta este filho perdido. Eis aqui o equívoco do compositor, data venia!

Analisando as Sagradas Escrituras, percebe-se que o sacrifício realizado por Jesus foi único e perfeito. Não cabe, portanto, nova cruz, nova morte e nova ressurreição. Vejamos alguns versículos Bíblicos, respeitando os seus devidos contextos:

"Nem também para a si mesmo se oferecer muitas vezes, como o sumo sacerdote cada ano entra no santuário como sangue alheio". Hebreus 9.25 (ACF)

Aqui, o autor da epístola aos Hebreus contrasta as ofertas do sumo sacerdote levítico (Antigo Testamento) com as de Cristo (Nova Aliança). O primeiro, entrando com o sangue alheio (animal), repetia o seu sacrifício todos os anos. Contudo, Jesus entrou uma vez por todas mediante o sacrifício de si mesmo. Cristo entregou-se em plena obediência à vontade de Deus e, portanto, as outras ofertas foram dispensadas, por causa da eficácia do Seu sacrifício.

O autor da Epístola prossegue em seu argumento dizendo:

"De outra maneira, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo" Hebreus 9.26a

Evidentemente, os judeus punham em dúvida a validade de uma só oferta. Nós também com a canção acima... Se a oferta (sacrifício de Cristo) não tivesse sido perfeita e acabada, implicaria repetido sofrimento: a encarnação, a vida de sofrimento e uma morte cruel. Assim, Jesus padeceria todos os anos em favor dos nossos pecados, conforme era o sacerdócio levita.

O propósito da Oferta única era aniquilar, pelo sacrifício de si mesmo, o pecado:

"Mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo" Hebreus 9.26b

O autor da Carta afirma que Cristo aniquilou o pecado e tudo o que se acha ligado a ele. Removeu-lhe a culpa, destruiu-lhe o poder e aniquilou-lhe a própria existência.

O pecado nos afastava de Deus. Ninguém era capaz de destruí-lo. Mas Jesus Cristo apareceu para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo. A expiação feita por Cristo anulou, cancelou "a Lei do pecado e da morte e introduziu a Lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus "(Rm 8.2).

As palavras aniquilar o pecado, portanto, declaram não apenas o seu propósito, mas afirmam os seus efeitos. Cristo se manifestou para tirar os nossos pecados e este propósito Ele realizou plena e triunfantemente.

Assim amados, mesmo que estejamos sem brilho, longe do Pai ou até mesmo sem amor (como diz a canção), não é necessário que Cristo morra novamente por nós. Precisamos apenas nos arrepender dos nossos pecados e falhas que Ele nos perdoará:

"Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça". 1 João 1:9

Confessar é concordar com Ele, admitir que somos pecadores e que necessitamos de Sua misericórdia. Se o cristão confessar seus pecados a Deus, Ele purificará toda injustiça dessa pessoa.

Deus nos perdoa por causa do sacrifício único, perfeito e justo de Jesus. E se você está longe dos caminhos do Senhor, peça perdão a Ele e volte. Ele está de braços abertos aguardando o seu retorno.

Não precisamos crucificar Jesus novamente, Ele já pagou um alto preço por mim e por você. 

Pense nisso.

Créditos ao Prof. Valmir Cardoso.

Comentários

  1. Vaninha Gonçalves7 de março de 2012 02:43

    Fantástico.É isso ai, mano. Importante não apenas cantar o que os outros gravam mas refletir profundamente nas letras e conteúdo bíblico. Deus continue abençoando vc e dando-lhe sabedoria dos altos céus!

    ResponderExcluir
  2. Amém. Temos que cantar as Escrituras, conforme o salmista disse: "Teus estatutos têm sido os meus cânticos na casa da minha peregrinação". Salmos 119:54

    ResponderExcluir
  3. Ola amigo, to seguindo seu blog, siga o meu de volta. http://blogwilderlansousa.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seja bem vindo para comentar esta publicação no Blog do Ed.

Não serão aceitos comentários anônimos.

Pode elogiar, criticar, e até discordar de tudo o que leu aqui, mas, o faça com educação. Lembre-se, outras pessoas irão ler seu comentário.